INTERNACIONAL

De 15 a 19 de julho, pesquisadores e escritores, brasileiros e estrangeiros, reúnem-se na UnB para discutir sentidos, formatos e circulação de textos literários em nível global. Evento é organizado pela Abralic

Literaturas nacionais e internacionais motivam pesquisas apresentadas durante o congresso. Foto: Audrey Luiza/Secom UnB

 

Circulação, Tramas e Sentidos na Literatura são tema do XVI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada(Abralic), sediado pela primeira vez na Universidade de Brasília, entre 15 e 19 de julho. Cerca de duas mil pessoas devem participar da atividade, que se propõe a estabelecer um fórum de discussão sobre os rumos das pesquisas em literatura comparada nas Américas e no mundo.

 

David Palumbo-Liu, professor da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, ministra a conferência de abertura no dia 15, às 18h, no Museu Nacional da República, e aborda a relação entre política, ética e literatura. O docente notabilizou-se por trabalhos sobre agressões sexuais, antifascismo e Palestina. As demais atividades do congresso estarão distribuídas em diversos pontos da UnB: os pavilhões Anísio Teixeira (PAT) e João Calmon (PJC), o Bloco de Salas de Aula Norte (BSA Norte) e os auditórios dos Instituto de Relações Internacionais (Irel), Instituto de Ciências Sociais (ICS), Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas (Face) e Faculdade de Direito (FD).

 

Mais de 60 convidados nacionais e internacionais participam de mesas-redondas e discutem temáticas diversas em interface com o campo do conhecimento. Rosamond King, escritora, professora, crítica e performer norte-americana, Cynthia McLeod, célebre romancista do Suriname, e a filósofa Seloua Luste Boulbina, professora da Universidade de Paris-Diderot e uma das dez mulheres que pensam a África, segundo o Le Monde, estão entre os destaques da programação.

 

Questões da atualidade, como gênero, raça, diversidade sexual, pobreza, migrações, geopolítica, produção literária pela e para a terceira idade, fazem diálogo com o tema central e demonstram as potencialidades da literatura comparada na problematização do mundo contemporâneo.

Atual presidente da Abralic, Rogério Lima salienta a diversidade de sentidos produzidos pelas literaturas e a relação estabelecida com diferentes sistemas semióticos. Foto: Audrey Luiza/Secom UnB

 

“O discurso literário permite que os produtores de literatura abordem uma gama enorme de temas. A literatura abre esse espaço, onde a imaginação flui com bastante liberdade, podendo tratar de questões históricas e políticas do momento”, pontua Rogério Lima, presidente da Abralic e professor do Departamento de Teoria Literária e Literaturas (TEL) do Instituto de Letras (IL) da UnB.

 

Pensar a interação da literatura com as diferentes textualidades contemporâneas e perceber como os sentidos por elas produzidos circulam nos diversos suportes e mídias são outras reflexões estimuladas. Segundo Rogério Lima, essas discussões também trazem à tona a própria interação entre a produção cultural nacional e internacional.

 

“Isso tem a ver com a forma como nos relacionamos com outras nações, como recebem a nossa literatura e como recebemos a literatura estrangeira no Brasil, como essa circulação influencia na elaboração de novas formas narrativas, tanto aqui como para além das nossas fronteiras”, diz o professor.

 

Ele ressalta que o congresso abre oportunidade para que alunos de graduação e pós-graduação possam interagir com pesquisadores renomados e mostrar ao público seus trabalhos acadêmicos na área.

  

ATUAÇÃO – Estimular a produção científica e congregar professores universitários e pesquisadores interessados na área das literaturas comparadas são propósitos da Abralic. Fundada em 1986, a entidade estabelece sua sede pela primeira vez na região Centro-Oeste, com atual gestão no Instituto de Letras da UnB.

 

Além de promover eventos científicos e incentivar o intercâmbio cultural com outras entidades da categoria no Brasil e no mundo, a associação valoriza a produção acadêmica por meio de publicações especializadas em literatura comparada. É o caso da Revista Brasileira de Literatura Comparada, periódico quadrimestral voltado para a discussão do tema a partir de perspectivas que abarquem os vínculos entre a diversidade de tradições literárias. Em 2019, a publicação chegou ao número 36.

 

>> Saiba mais sobre a Literatura Comparada

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.